Edição 2014 da Bienal de São Paulo vai disicutir conflito e coletividade

Mostra será aberta ao público em 6 de setembro; cerca de 25% dos artistas serão brasileiros

Conflito e coletividade. O equilíbrio entre essas duas situações é o que norteia o trabalho dos curadores da 31ª Bienal de São Paulo, que será realizada a partir de 6 de setembro em pavilhão no parque Ibirapuera.

Obra de Edward Krasinski que estará na Bienal de SP

Obra de Edward Krasinski que estará na Bienal de SP

A equipe curatorial do evento, formada por Charles Esche, Galit Eilat, Nuria Enguita Mayo, Pablo Lafuente e Oren Sagiv (além dos curadores associados Benjamin Seroussi e Luiza Proença), divulgou parte da programação em entrevista nesta terça (25). Cerca de 25% dos artistas que estarão na Bienal serão brasileiros.

O mote da Bienal 2014 é “coisas que não existem”. “O título é um chamado poético às promessas da arte, e propõe maneiras variadas de abordar essas coisas: como falar sobre elas, como aprender com elas, como viver com elas, como lutar contra elas…”, dizem os curadores.

A mostra terá obras de artistas como Juan Downey, Romy Pocztaruk, Danica Dakić, Armando Queiroz, Virginia de Medeiros, Nurit Sharett, Val del Omar, Yael Bartana, Tunga, Lia Rodrigues, Sheela Gowda, Edward Krasinski, Asger Jorn, Jo Baer, Walid Raad, Ana Lira, Halil Altindere, Yochai Avraham, Ruane Abou-Rahme, Basel Abbas, Ines Doujak, John Barker, Leigh Orpaz, Bruno Pacheco. Outros artistas serão anunciados.

“A proposta central por trás da ideia de coisas que não existem é que projetos artísticos podem desencadear atos de imaginação e transformação mental capazes, por sua vez, de provocar uma virada no curso dos acontecimentos”, afirmam os curadores. Os recentes protestos ocorridos em diversas cidades do mundo provocaram reflexos em trabalhos que serão expostos na mostra.

Publicado originalmente no Último Segundo

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Bienal terá recorte de artistas travestis e transexuais

Quando se vestiu de Virgem Maria numa performance, o artista peruano Giuseppe Campuzano deu cara e corpo ao que entendia como séculos de história que ignorava a existência de identidades sexuais fora dos padrões ditados pela religião católica.

Filósofo e drag queen morto aos 44 no ano passado, Campuzano empresta o rosto maquiado para liderar uma lista de artistas de um dos núcleos mais polêmicos da próxima Bienal de São Paulo, que começa em setembro.

Na mostra que foi anunciada como Bienal da “transgressão”, da “transcendência” e da “transexualidade”, um extenso recorte de nomes de países como Peru, Chile, Colômbia, México, Espanha, Israel e Brasil compara a profusão de crenças religiosas da atualidade à diluição de fronteiras entre homem e mulher.

“Isso é algo que resume nossa condição contemporânea”, diz o britânico Charles Esche, curador da mostra. “A arte nos mostra que essa absoluta dicotomia entre masculino e feminino não reflete a forma como nós, de fato, experimentamos a realidade.”

Esse é também um discurso que reflete a última moda na cultura pop, que alçou representantes de uma sexualidade mais ambígua à condição de celebridades e de arautos do que seria quase uma vanguarda plurissexual.

Figuras como a drag queen americana RuPaul, a atriz Laverne Cox (primeira transexual a estampar a capa da “Time”) a modelo brasileira Lea T. e a cantora barbada austríaca Conchita Wurst estão na linha de frente dessa onda.

E as artes visuais abraçam essa tendência de modos mais ou menos perversos.

No caso da mostra paulistana, exibir agora a produção marginal de latinoamericanos que criaram suas obras em contextos de repressão política e social reforça a moda ao mesmo tempo em que revela como essa sempre foi uma questão na cultura.

Nesse ponto, Campuzano construiu ao longo da vida seu “Museu Travesti”, uma coleção de objetos que aludem a personagens excluídos da história desde a era colonial até hoje.

“Ele bota abaixo a maneira tradicional de entender uma história escrita por heterossexuais”, afirma o peruano Miguel López, curador convidado pela Bienal para pesquisar artistas desse núcleo. “É uma leitura transversal dos fatos a partir de um ponto de vista transexual.”

Outro artista já escalado para a Bienal, o também peruano Sergio Zevallos, trabalha no mesmo registro. Ele se veste de Virgem Maria e outras personagens bíblicas diante de lugares associados à manutenção das divisões mais rígidas entre os sexos, como quartéis.

“Eu me transformo e me maquio nesses lugares”, diz Zevallos. “São personagens que crio a partir da cultura popular, imagens religiosas e até cenas pornográficas. É um coquetel de referências de sexualidade e religião.”

Religião e sexo também se chocam na obra da brasileira Virginia de Medeiros. Seu filme, que estará na Bienal, conta a história real de um travesti que se tornou pastor evangélico depois de uma experiência traumática.

Medeiros retrata lado a lado as identidades díspares de Simone, travesti, e Sérgio, sua versão masculina. Mas, mesmo quando assume o papel de pregador fanático, o personagem não se livra dos gostos e desejos do travesti.

“É uma crise, um conflito muito grande”, diz Medeiros. “O pastor traz sempre a travesti camuflada dentro dele. Isso mostra que não dá mais para trabalhar nesse sistema binário, do macho e da fêmea. Existem várias camadas de masculino e feminino.”

Obras como as encenações da Última Ceia feitas em prostíbulos, da dupla chilena Las Yeguas del Apocalípsis, ou as pinturas naïf do mexicano Nahum Zenil, que se retrata nu em paródias de passagens bíblicas, devem entrar na Bienal embalados nesse novo espírito de aceitação.

TOLERÂNCIA MERCANTIL

“Talvez estejamos ainda um pouco cegos sobre o impacto que isso terá”, diz a israelense Galit Eilat, também curadora da mostra. “Mas pode ser algo positivo se isso despertar antagonismos.”

Nesse ponto, Zevallos alerta para o lado perverso dessa onda. “Há um cruzamento disso com o mercantilismo”, afirma o artista. “De repente, percebem que essa parcela da população pode ser um novo mercado consumidor. Surge uma tolerância que abre caminho para a exploração.”

Publicado na Folha de São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s