Da palmatória ao tablet

Com curadoria de professor da Belas-Artes, exposição resgata história da escola mineira

Luana Macieira

Logo na entrada da Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional dos Educadores do Estado de Minas Gerais (Magistra), localizada no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, o visitante depara com uma sala de aula da década de 1920, decorada com móveis e objetos originais da época e com caixas que reproduzem os sons típicos das escolas, como os barulhos do sinal e das crianças brincando no recreio.

Sala de aula típica da década de 1920: diálogo dos objetos com os visitantes

Sala de aula típica da década de 1920: diálogo dos objetos com os visitantes

O ambiente é a primeira parada de uma viagem pelo universo escolar proporcionada pela exposição A escola mineira e seu tempo, instalada na Magistra. A mostra, com curadoria do professor Evandro José Lemos da Cunha, do Departamento de Fotografia, Teatro e Cinema da Escola de Belas-Artes, reuniu parte do patrimônio de outras duas instituições: o Museu Escola Ana Maria Peixoto e o Laboratório de Ciências Leopoldo Cathoud. São cerca de seis mil peças que revelam um pouco da história da escola mineira nos últimos três séculos.

“Pensamos em uma curadoria que privilegiasse a criação de um diálogo entre os objetos do museu e os visitantes. A intenção era que a exposição emocionasse os mais velhos, cujas memórias são resgatadas ao visitar o espaço, e os mais novos, curiosos para entender como eram as escolas do passado”, explica o curador.

Outras paradas

Um dos principais ambientes da exposição reúne vários objetos que acompanham a evolução tecnológica da educação. Há desde projetores antigos, movidos a querosene, até tablets, que hoje fazem parte do universo das salas de aula. “A administração da escola também está representada por meio da reprodução de uma sala de diretoria. E criamos um local para abrigar uma coleção de globos e mapas e outro com os uniformes escolares usados no passado. Tudo isso reaviva as lembranças de quem visita a exposição”, diz Evandro Lemos.

Segundo o curador, parte da mostra privilegia o público infanto-juvenil, que, apesar de vivenciar um processo educacional diferente do que está exposto no museu, olha para o passado com muita curiosidade. “As crianças querem, por exemplo, saber mais sobre a palmatória. É um instrumento que não faz parte mais do processo educacional, mas que desperta o interesse delas. Para atender a esse público, também montamos um espaço com pufes e tapetes, onde as crianças podem ter contato com vários objetos antigos”, explica.

Parceria

O acervo de A escola mineira e seu tempo é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. Além da curadoria, a UFMG contribuiu com a restauração de todos os objetos. O trabalho, que foi realizado pela empresa Acervo – Projetos e Consultoria Ltda., em parceria com o Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis da UFMG (Cecor), sob a coordenação da professora Bethania Reis Veloso, contou, ainda, com a participação de alunos dos cursos de restauração e de museologia da universidade. Para Evandro Lemos, a parceria potencializou a qualidade da exposição, que tem recebido grande público.

“Recebemos o apoio das professoras Nathalia Larsen e Jussara Vitória, do curso de Museologia da UFMG, alunos e profissionais da esfera privada. Isso agregou valor ao trabalho e nos permitiu organizar uma exposição que, além de narrar a história da educação em Minas, não nos deixa perder o referencial dos objetos, que mostram a evolução do processo educacional”, afirma Evandro Lemos.

3_2_g

Máquina de escrever e telefone do gabinete da diretoria

Além da montagem da exposição, o grupo catalogou os objetos que não estão expostos. O Laboratório Innovatio, da Escola de Belas- Artes da UFMG, também produziu vídeos que reúnem gravações dos principais educadores e formuladores da educação mineira. “O trabalhou não acabou. A exposição foi aberta, mas ainda estamos produzindo filmes sobre o museu e sobre a Magistra, que se juntarão ao vídeo do resgate da história oral da educação mineira”, informa Evandro Lemos.

Exposição: A escola mineira e seu tempo
Local: Magistra, localizada na Avenida Amazonas, 5855, bloco B
Horário de funcionamento: a exposição está aberta de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h. A entrada é gratuita, e visitas de grupos podem ser agendadas pelo telefone (31) 3379-8593
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s